Transformando dificuldades em oportunidades e boas experiências

Uso de máscaras faciais, distanciamento social, rigorosas regras de higienização (tanto individual quanto do ambiente e espaço), e comunicação restrita à videoconferência são apenas algumas das normas sociais que mudaram nos últimos meses.
Ainda que seja uma análise meio superficial da coisa, o fato é que a vida de todos, em um panorama global, mudou drasticamente, desde como nos conduzimos, até mesmo como experimentamos o mundo e tudo que o engloba à distância.

E como que o UX e o desenvolvimento entram nesse tema?

Ou melhor: o que as empresas podem tirar desse cenário tão atípico para aprimorar a forma como buscam soluções para seus serviços?

Aqui na RAIN, pesquisamos e exploramos os diversos recursos que o universo do UX pode oferecer para empresas e serviços que buscam por melhorias e inovação em tempos tão sombrios.

 

Repensando necessidades com UX Design

 

No atual contexto que vivemos é possível pontuar várias dificuldades que usuários estão enfrentando em diversos setores e nichos, em níveis sociais e pessoais.

Repensar as necessidades dos usuários pode criar oportunidades, tanto de novas alternativas quanto de novos produtos. Até porque nos tornamos ainda mais dependentes da tecnologia conectada – que acabou virando uma tábua de salvação.

Para aqueles que tinham uma vida socialmente ativa e usavam dos recursos tecnológicos e digitais apenas para coisas básicas do dia a dia, e ainda para aqueles que já eram habitualmente conectados, os empecilhos que vieram juntos com o isolamento social também se transformaram em novas possibilidades como, por exemplo, uma grande variedade de entretenimento para o tempo de inatividade, novos recursos e ferramentas para educação em casa e para o trabalho remoto ou Home Office, aperfeiçoamento dos serviços de delivery e etc.

Por mais inconveniente que seja a atual conjuntura, o leque de novas oportunidades e a chance de enxergar as coisas sob outra perspectiva dão um gás a mais para lidar com toda essa atipicidade, permitindo que exploremos diversas possibilidades e possamos construir e experimentar estratégias e serviços cada vez mais sólidos.

 

Desenvolvendo soluções através do UX

No mundo do design digital – falando exatamente de UX, UI, arquitetura e tecnologia da informação, produção e inclusive programação (front-end e back-end) e etc., todo esse meio foi altamente influenciado pela demanda externa e pelas problemáticas causadas pelo Covid-19 e pelo distanciamento.

E como que, na prática e no dia a dia de trabalho, se dão essas transformações? Como transformar dificuldades em oportunidades, seja de melhoria ou de adaptação?
A resposta é simples: métodos.

Analisamos e listamos algumas empresas e marcas que, através de estratégias e processos de UX, adaptaram e inovaram seus serviços e ferramentas com o intuito de tratar – ou pelo menos contornar – as maiores dores e obstáculos de seus usuários durante a pandemia.

 

Uber, Segurança e UX Research Como oferecer, ou resgatar, a confiança e segurança das pessoas para o seu serviço?

Foi avaliando a crescente insegurança e receio dos usuários e dos próprios motoristas, em utilizar tanto os transportes públicos quanto os serviços de transporte particular devido ao receio de contágio, que o aplicativo Uber desenvolveu uma ferramenta de checagem de uso de máscara e um check-list de regras de higiene que deve ser seguido e avaliado no início e após a corrida, tanto pelos motoristas quanto pelos passageiros.

Soluções como essa são desenvolvidas – não apenas seguindo os critérios básicos estabelecidos pela OMS, mas especialmente utilizando recursos de pesquisa de UX, como o desk research e o mapeamento da jornada do usuário, que procuram levantar dados e informações sobre as dificuldades dos usuários, incluindo suas crenças, desejos e anseios, para então encontrar os insights necessários para traçar a resolução dos problemas.

 

 

Humanizar, Esclarecer e o papel do UX Writing no Zara App – Não é só de interface, abas e ferramentas que se baseia uma boa experiência de usuário. Antes de tudo é preciso aprender a se comunicar adequadamente com as pessoas, especialmente com o seu público. Em épocas de isolamento social então é preciso colocar em prática as boas normas de uma redação voltada para UX, que deve ser antes de tudo humana e empática.

Aplicativos de serviço de entrega, como iFood e Rappi, e de transporte particular, como por exemplo, o mencionado anteriormente Uber, adaptaram seus textos e suas mensagens com o intuito de conscientizar e esclarecer seus usuários acerca de cuidados a serem tomados e sobre a adaptação – ou interrupção – de seus serviços durante a pandemia.

A indústria de fast fashion e empresas de moda também reagiram rapidamente, como por exemplo, o Zara App, que buscou investir na comunicação assertiva e estratégica, focando em recursos como microcopy, que procura tornar a jornada e a interação do usuário mais fluída, além de oferecer informações adaptadas ao novo cenário de isolamento.

 

Eats For You e UX Strategy E quando a proposta de seu negócio subitamente deixa de ser viável para o seu público-alvo? Como se reinventar?

A empresa Eats For You, um delivery de comida caseira da região de São Paulo, realizavam suas entregas apenas em escritórios e condomínios comerciais – buscando atender e cobrir o horário de almoço nos grandes centros comerciais. Com a implementação da dinâmica de home office, a empresa viu o número de pedidos reduzir e a utilidade dos serviços entrar em um impasse.

Foi quando eles tiveram a ideia de mudar o enfoque de seu modelo de negócio e se voltar para os cozinheiros e famílias que amam cozinhar e que procuram uma renda extra, possibilitando e valorizando o consumo de Comfort Food e a comida feita em casa.
Ideias como essa não surgem do nada. É de limbos como esse que urge a necessidade de estudos como o de UX Strategy, que visa justamente definir – ou redefinir – a proposição de valor do produto ou serviço para o consumidor.   

Dentro deste recurso é possível explorar uma série de estratégias – como o próprio nome esclarece -, como ecologia de serviços, que busca mapear os fatores, elementos, agentes e contexto de uso do seu serviço, estabelecendo uma visão ampla e sistêmica de como ele opera e quais melhorias aplicar ou adaptar.

 

A conclusão de uma boa experiência

 

Analisando todos esses cases, conseguimos entender que uma boa experiência implica intrinsecamente na forma como uma empresa procura identificar nos problemas do cotidiano das pessoas e nas dores de seus usuários, oportunidades de melhoria, adaptações eficazes e inovação, buscando principalmente alinhar estratégias e utilizar os tantos mecanismos e ferramentas que estudos e pesquisas de UX e Design oferece.

Acesse nossa página de Serviços e descubra como nós da RAIN criamos experiências memoráveis para os nossos clientes e seus usuários, utilizando métodos que acompanham a transformação digital e focam na experiência do usuário.